Economia


Os Emirados Árabes Unidos têm uma localização geográfica privilegiada, entre o leste e o oeste, sendo um ponto de encontro para o comércio mundial. Os Emirados Árabes Unidos são considerados a porta de entrada aos mercados dos países da Ásia, Europa e África.

Os Emirados Árabes Unidos dedicam especial importância ao desenvolvimento de suas relações econômicas com os outros países do mundo. É signatário de mais de 30 acordos de cooperação nas áreas econômicas e comerciais a nível regional e internacional, os mais importantes sendo: adesão ao Acordo Geral de Tarifas e Comércio e à Organização Mundial de Comércio. Assinou 65 acordos bilaterais nas áreas de investimento e sonegação fiscal.

O país ocupa uma posição internacional muito importante, como resultado natural de suas políticas econômicas e comerciais que se baseiam na abertura da economia, o livre comércio e o investimento de uma grande parte de suas rendas provenientes do petróleo para construir uma infra- estrutura avançada, um setor econômico sólido e desenvolver seus setores não-petrolíferos com o objetivo de diversificar e aumentar suas fontes de renda.

Em 1971, o ano da formação dos Emirados Árabes Unidos, o PIB do país era de Dh 6.5 bilhões. Trinta e sete anos depois, o PIB alcançou os Dh 753 bilhões. 115 vezes maior.

Mesmo com o impacto da crise financeira mundial, a economia dos Emirados continua a crescer. Claramente observou-se uma desaceleração, especialmente no setor imobiliário, mas o governo tem tomado medidas no sentido de conter um aumento da inflação e um aumento dos preços dos materiais de construção, como aço e cimento. Para conter um aumento desenfreado do crédito, os bancos estão mais cautelosos ao emprestar dinheiro a indivíduos e empresas.

Não há dúvidas que as receitas do petróleo foram fundamentais na transformação da economia do país. Entretanto, a segurança das gerações futuras depende de investimentos prudentes feitos interna e externamente. Em 2007 o setor não-petrolífero contou com 64.1% do PIB e o de hidrocarbonetos com 35.9%, isso em um ano onde os preços do petróleo cresceram 18.2%. A diversificação da economia foi muito importante para que a economia não ficasse a mercê das flutuações dos preços do petróleo. Manufaturados (12%); atacado e varejo (10%); construção (8%), serviços públicos (7%). Além dos setores petroquímicos, os setores primários que mais atraíram investimentos na economia foram manufaturados, transporte e comunicações e imobiliário. O emirado de Dubai, aonde 3% apenas do PIB vem do petróleo, depende de setores como turismo, transporte, comércio, construção, imobiliário e serviços financeiros. Cada emirado adota sua própria fórmula e aposta em suas áreas mais fortes de crescimento.

As zonas francas são um pilar forte para a diversificação da economia e uma estratégia que atrai investimentos estrangeiros, criando empregos e facilitando a transferência de tecnologias para o país. US$ 19 bilhões entraram nos EAU em 2007 em forma de capital estrangeiro.